Ir para o conteúdo principal
Dia dos Namorados

A Origem do Dia dos Namorados

A Origem do Dia dos Namorados
Fernanda Almeida
Redatora e Especialista em Produtos de Beleza1 dia atrás
View Fernanda Almeida's profile

Como surgiu o Dia dos Namorados?

A data mais romântica do ano está a chegar e muitas pessoas já começaram a fazer planos para o Dia dos Namorados, também conhecido como o Dia de São Valetim. Ocupados pensando em como celebrar e no que dar de prenda de Dia dos Namorados, raramente questionamos o motivo de celebrarmos esta data. Isso é uma pena, pois a história é bastante curiosa.

Quem foi São Valentim?

A Igreja Católica reconhece 12 santos pelo nome de São Valentim! Os dois mais conhecidos são Valentino di Terni e Valentino di Roma e a suas histórias se confundem bastante. Para dificultar ainda mais, ambos os santos são celebrados no mesmo dia.

O Dia dos Namorados que celebramos hoje é mais associado ao São Valentim de Terni, mas existem diversas histórias associadas à data, às vezes mencionando São Valentim de Roma.

Então pega aquela caixinha de chocolates, encontra um lugar aconchegante e vem com a gente!

A História de São Valentim

A história mais famosa começa com um filósofo grego chamado Cratão. Ele estava desesperado em busca de uma cura para o seu filho, que sofria de uma debilitante doença que o impedia de mover sequer um músculo. Nem os maiores médicos foram capazes de ajudar e Cratão já não sabia mais o que fazer. Um dia, ficou sabendo sobre um bispo de Terni chamado Valentim que teria curado outra pessoa com a mesma enfermidade. Chamou, então, Valentim à Roma e ofereceu-o riquezas para curar o seu filho. Porém, ao bispo somente interessava uma coisa: em troca da cura do jovem, Cratão deveria converter-se ao Cristianismo.

Não devemos esquecer que Cratão era um filósofo e, assim, fez à Valentim várias perguntas teológicas até finalmente aceitar a proposta. Valentim rezou sobre o jovem durante uma noite inteira e, no dia seguinte, o filho de Cratão estava curado. O jovem, que antes não podia nem mover a língua, correu para abraçar o pai.

Diante do milagre, toda a família foi convertida. E mais, Cratão acabou influenciando os seus alunos a se converterem também. Isso irritou, e muito, o senado, que decidiu aprisionar e executar Valetim em Roma. Os seus restos mortais teriam sido enterrados na via Flamina, até que três alunos de Cratão os teriam levado de volta à Terni.

Pão e taça de vinho sobre toalha de linho em fundo escuro

Outra história diz que o Imperador Claudius II teria ficado intrigado com a força da fé de um padre romano chamado Valentim. Por isso, deixou-o sob a guarda de um membro da nobreza que tinha como missão argumentar com Valentim até acabar com a sua fé. Esse nobre tinha uma filha que não podia enxergar e Valentim curou a cegueira da jovem com a reza. Isso fez com que toda a família se convertesse. Pouco depois, Valentim enfureceu o Imperador ao tentar convertê-lo também. Assim, foi condenado à morte e enterrado na via Flamina.

Releituras mais românticas da história contam que, do cárcere e à espera de sua execução, o padre Valentim teria escrito uma carta à filha do nobre, assinando-a “do seu Valentim”.

Caderno com mensagem de Dia dos Namorados em fundo vermelho

Como podes perceber, as duas histórias são muito semelhantes. Por isso, muitos acreditam que, na verdade, estes dois São Valentins teriam sido a mesma pessoa!

Além destes dois relatos, existe também uma lenda mais romântica que surgiu na Idade Média. Nesta história, o Imperador proibiu a prática do casamento, pois acreditava que homens solteiros seriam soldados melhores. Valentim teria realizado cerimônias de casamento secretas e, descoberto, foi sentenciado à morte. Na prisão, teria se apaixonado pela filha de um dos guardas. A jovem era cega e Valentim teria restaurado a sua visão. Neste relato, a tal carta assinada “do seu Valentim” teria sido para ela.

Por que celebramos o Dia de São Valentim?

Existe muita confusão sobre a identidade e história de São Valentim. A versão mais romântica da história é justamente a versão com menos embasamento histórico. Então, por qual motivo celebramos a data?

A celebração foi instituída pelo Papa Gelásio I no século V, coincidindo com uma antiga celebração pagã de chamada Lupercalia. Esta celebração durava três dias (de 13 até 15 de fevereiro) e incluía diversos rituais de purificação envolvendo nudez e sacrifícios de animais. Apesar de pagã, era celebrada por muitos cristão na época. O Papa era contra a celebração, mas não existem indícios de que ele tenha de fato a banido. Mesmo assim, a prática foi perdendo relevância e acabou sendo deixada de lado.

A nova celebração foi difundida pela Europa cristã durante a Idade Média pela Ordem Beneditina, que mantinha a igreja de São Valentim em Terni. A difusão da lenda mencionada acima e os ideais de amor cortês contribuíram muito para a perceção moderna e romântica sobre o Dia de São Valentim.

Mas o mais importante é aproveitar o Dia dos Namorados com quem amas!

Fernanda Almeida
Redatora e Especialista em Produtos de Beleza
View Fernanda Almeida's profile
Sou apaixonada pelo mundo da beleza desde a minha adolescência. Como sou nascida e criada no Rio de Janeiro, não é de surpreender que a minha filosofia de beleza seja bastante carioca: natural e descontraída, com foco em uma pele luminosa e cabelos saudáveis. Isto é possivel através de uma diligente rotina de autocuidado e usando maquilhagem estrategicamente para conseguir aquele aspeto radiante de uma segunda pele. Não vivo sem óleos faciais, um bom protetor solar, e um corretivo de longa duração e estou sempre atenta a possíveis novas adições à minha coleção. Já experimentei vários produtos e marcas, mas conviver com pele acneica durante a maior parte da minha vida tornou-me super exigente. Não é assim tão fácil ganhar um lugar permanente na minha rotina de beleza, porque só procuro produtos que demonstrem os melhores resultados. Adoro trocar segredos de beleza com pessoas do mundo inteiro e aprender sobre as mais novas tendências.
lfint